Desejo e corpo sem órgãos em Deleuze e Guattari, início em 12/08/13, às 20h



Para Gilles Deleuze e Félix Guattari não existe prazer e objeto que faltariam ao desejo. O desejo produz, e produz o real. O real é o corpo sem órgãos. Somente quando o desejo não produz o corpo sem órgãos é que ele se confunde com a falta de um prazer ou de um objeto. O desejo, segundo Deleuze e Guattari, quer mais conexões e produzir intensidades que preenchem o corpo sem órgãos. Portanto, o corpo sem órgãos não se opõe aos órgãos do corpo (porque é através dos órgãos que as intensidades são produzidas), mas sim ao organismo e às organizações de poder. Para as exigências da reprodução do capitalismo é necessário que os corpos sejam reterritorializados, esmagando as linhas de fuga do desejo. O desejo é reprimido, então, quando os corpos são organizados através dos agenciamentos de poder, impedindo-os de experimentar – somente aí que o desejo, já separado do processo de produção do real, se confunde com a falta e passa a investir na sua própria repressão. Porém, o liame do desejo com a falta é desfeito quando é devolvido a ele a produção do corpo sem órgãos. A retomada desse processo e sua efetuação geram uma alegria ativa que é imanente ao desejo.

- O curso é destinado a interessados em geral e não é necessário ter conhecimento prévio para participar.
- Os alunos terão acesso exclusivo aos áudios de todas as aulas.
- Cada aula é dividida em três partes: na primeira parte, exposição dos conceitos; na segunda parte, perguntas dos alunos; na terceira parte, exposição dos conceitos.


PROGRAMA

A edipianização capitalista como repressão social do desejo. O inconsciente como produção: as singularidades pré-individuais, as três sínteses, o corpo sem órgãos e as duas forças aparentemente antagônicas (repulsão e atração). A produção do corpo sem órgãos e seus perpétuos perigos: corpos sem órgãos totalitários e fascistas, corpos sem órgãos vazios e desestratificados. A construção do plano de consistência (continuum de intensidades) e as duas dimensões do corpo: o conjunto das suas partes extensivas sob um relação (longitude) e o conjunto das suas partes intensivas sob uma capacidade de ser afetado (latitude). Devir-mulher, devir-criança, devir-animal, devir-imperceptível. 



Início: segunda-feira, 12 de Agosto de 2013
Duração: 8 aulas, de 12/08 a 30/09
Horário: às segundas, das 20h às 22h
Valor: 2 parcelas de R$ 160,00
Endereço: Espaço Mundo Pensante
Rua Treze Maio 825 (próx. ao Metrô Brigadeiro), Bixiga, São Paulo

Inscrições:
Envie um e-mail para filosofia@amauriferreira.com e informe nome, e-mail e telefone. 
O pagamento da primeira parcela é feito no local do curso, na primeira aula. Vagas limitadas.



Amauri Ferreira é filósofo, escritor e professor. Ministra cursos livres de filosofia e palestras em diversos espaços culturais e instituições de ensino. É autor dos livros "Introdução à Filosofia de Spinoza" (Editora Quebra Nozes) e "Introdução à Filosofia de Nietzsche" (Editora Yellow Cat Books). É também autor dos artigos "Mente, corpo, imaginação e memória em Espinosa", "Culpa, ressentimento e a inversão dos valores em Nietzsche" (ambos publicados pela revista Filosofia, da Editora Escala) e "Corpo e pensamento: a invenção de outro sentido" (publicado pela Revista Reichiana, do Instituto Sedes Sapientiae).

Livros e artigos para download, cursos, vídeos e áudios estão disponíveis em www.amauriferreira.com

Acompanhe também pelo Facebook e Twitter.

Apoio:

  

Comentários